15 março 2013

Da crise

Vejo tantas injustiças neste meu Portugal que ás vezes custa-me acreditar que ainda somos todos humanos e não uns pequenos grandes monstrinhos. Eu detesto e aliás, praticamente nunca falo da crise por que estamos a passar. Não gosto de enfatizar e dar valor a uma coisa que quero bem longe de mim. Eu estou a passá-la, financeiramente ainda não graças a Deus, mas de instabilidade sim, muita. Vejo famílias, casais, filhos, pais, a queixarem-se tanto tanto, Meu Deus, que agora não recebem subsídio, que não podem comprar a mala, o sapato, a roupa que querem sem pensarem duas vezes primeiro, que agora já não podem ir para o Brasil mas sim para a Costa da Caparica, que não sabem o que hão-de fazer à sua vida. Isso é só futilidade ou  parvoíce pura? Ou até pessoas desempregadas, ou melhor, falsas desempregadas (como há falsos recibos verdes, faço aqui uma analogia), pois para mim estarem a receber o subsídio e não fazerem NADA para arranjar trabalho, devia ser punido por lei! É crime...................e eu pergunto-me what?! só podem estar a brincar comigo. Não sabem o que é estar mesmo desempregado. Estarem sozinhos para se sustentarem com uns tostões ao fim do mês. Não sabem mesmo o que é estar no "isto está muito mal". Eu dou tanto mas tanto valor a isso.. Desde que vi a dificuldade que tive em arranjar trabalho em qualquer área, mesmo com formação e competências, não conseguia nada, tive a sorte de ter sido escolhida para onde estou e nem sei até quando estou. Tendo vivido o desemprego dele que todos os dias ía à luta. E nós somos apenas um casal jovem, sem filhos (sem contar com o Udy claro), sem grandes gastos e já nos víamos aflitos por termos medo de um dia não termos um pé-de-meia onde recorrer. Agora imagino uma família inteira, com o casal muitas vezes os dois desempregados, os filhos na escola, obrigações...eu imagino o terror dessas pessoas! Não dá para entender sem se passar realmente por isso. Mas há que respeitar e apoiar essas pessoas. Sou incapaz de dizer a um desempregado, que opá agora não sei ainda muito bem o que fazer porque comecei a receber menos tostões para ir de férias! e a pessoa com o coração nas mãos, com um pesar imenso, a ter que levar com bajulices parolas! Revolta-me, juro, devíamos todos olharmos para dentro de nós e vermos a figurinha triste que fazemos. 

1 comentário:

  1. Eu concordo contigo querida.
    Desde que casei já passamos por 3 desempregos... As pessoas falam de papo para o ar sabes? E nem me vou alargar para não me revoltar nem ir buscar sentimentos maus que tenho guardados.
    Acima de tudo sou optimista.
    Beijinho grande

    ResponderEliminar